Ponto de vista

Las Vegas, USA, 2013.
É estranho pensar nas situações do cotidiano do Brasil e comparar o mesmo perfil que se vê nos Estados Unidos. O que pode ser dito é que lá o dinheiro gira... o solicitando do trabalho paga muito pelo trabalho e o valor retorna para ele. Fato que se comprova com os ciclos e abundância de trabalhos. Têm menos profissionais lá do que no Brasil? Não, pelo contrário... têm mais! O que acontece? Não sei ao certo, mas me parece que o dinheiro gira melhor. No Brasil o empreendedor gosta de fazer a conta de quanto não pagou por serviços de terceiros... nos EUA um empreendedor do mesmo segmento faz uma conta diferente, de quanto dinheiro retornou no fim do balanço. Eu não sou especialista financeiro... não tenho experiência de economia para afirmar isto. Só o que posso dizer é que no Brasil os profissionais liberais da comunicação, a exemplo da fotografia, trabalham para fazer volume... nos EUA, trabalham pra fazer qualidade. Isto pode ser compreendido facilmente por um profissional de área qualquer. Se vc trabalha por qualidade, significa que não precisa preocupar-se com volume... faz volume quem trabalha para um mercado pobre ou despreparado, e faz qualidade quem nem tem preocupação com o resultante arrecadado. Ou seja, profissionais de países de primeiro mundo trabalham com materiais melhores, mais tranquilos, fazem o retorno aos seus clientes... já no Brasil, 20 reais é motivo para choradeira. Se fala em crescente economia, mas se esquece que para que a economia cresça é preciso que o dinheiro gire. Gire de verdade... empreendedor que faz poupança é um exemplo clássico de que apenas suga o sistema, preocupado apenas com o imediato rendimento. Ponto de vista é algo que nos faz pensar... eu penso um pouco! Vc sabe quando este país vai sair deste modelo assustador?