Algumas fotografias... janela para algum lugar!

A linguagem, de todo tipo que conhecemos, nos permite a comunicação. Algumas vezes, falamos de algo para ser dito ou escrito e então interpretado naquele momento. De outra forma, muitas vezes para a fotografia, a linguagem atravessa qualquer tempo, momento e necessidade. Toda vez em que eu me deparo com um cenário como este, olho para o conjunto da obra, certamente divina, depois para o infinito horizonte. Há motivos para crer que não é único o lugar, a vivência nos diz isto, mas mesmo quem viveu a vida toda neste lugar, saberia que há muito mais para ser visto. Cada clique é uma lembrança, um cartão postal, um momento de reflexão. Desde que me tornei um coração andarilho que minhas perguntas aumentam. Me pergunto muitas vezes sobre muito... e penso que tenho algumas respostas. Eu não sei onde eu irei no futuro, mas sei onde não mais irei. Anseio por saber onde posso ir ainda, sem dica, recomendação, indicação, mas com esperança de algo novo. Agora, eu lembro... neste lugar, senti os cascalhos sob meus pés, eles faziam ruído de atrito de rochas em rochas, eternas e transformadoras neste lugar. A água cristalina dava sede... então beba, sem medo! Não pode ser pior do que a privação de ir e vir, de pensar que jamais chegarei em algum lugar. Onde acabarei? Ainda não sei... ainda não será neste lugar, há mais para saber e pensar, opções para escolher. E que eu me lembre, exijo sempre peixes para serem pescados, pq de outra forma o lugar não me serve. Não serve para ficar, mas para passar um tempo, com certeza sim!