O engraxate

Praça da Alfândega, Centro de Porto Alegre, 2014.
Não há, de forma alguma, algum ofício capaz de substituir o outro... Diante a sociedade que preza e valoriza apenas as profissões desdobradas e pertencentes a cultura do poder e do dinheiro, resta apenas fazer o que se ama. E se vc diz que ama tal profissão que aos olhos de tantos é desmerecida, de certa forma, louco parecerá. Assim, médicos e engenheiros, e principalmente as profissões embasadas na escola do direito, tornam-se mais honradas do que o engraxate. Evidente que a profissão de engraxate não é envolvida de escolaridade, mas ainda sim uma nobre profissão. Aquele que cuida da aparência dos calçados, outra aparência, valorizada pelos profissionais que se auto valorizam em demasia... uma certa ironia! Calçados valorizados e brilhosos por suor de pessoas desvalorizadas. Estranho, mas assim é toda uma sociedade que se contradiz... se há um sapato brilhoso, se há uma fotografia disto, por outro lado não há repórter fotográfico ou engraxate com o devido respeito. Tão estranha esta sociedade do engraxate...