Repórter fotográfico no Planeta Atlântida 2015

Vocalistas das bandas Melody e Jamz
  Bem... os que me conhecem, sabem que trabalho para algumas agências como freelancer. Me orgulho muito desta atividade profissional que escolhi. Posso dizer que pude escolher outras, bem mais rentáveis, inclusive a possível carreira de engenheiro mecânico que deixei para trás. Nem tudo nesta vida é possível fazer, especialmente quando se descobre o amor por algo, que esta em alguma direção oposta. Esta foi a história da fotografia na minha vida e, então, aos poucos me tornei um fotojornalista... e ainda estou lutando para crescer profissionalmente. 
Palco central do Planeta, mesmo com chuva, cheio!
  Acredito que o crescimento profissional, a lapidação do ofício, ocorrerá até o fim dos meus dias, quando então, os jovens estarão ao meu lado me ensinando as tendências de um tempo ao qual já não pertencerei. Acho que é desta forma que as pessoas deveriam ver seus ofícios, mas eu vejo quase que a totalidade estagnada após uma longa carreira de estudo, no exemplo de mestres e doutores, paralisados após a pós graduação. Infelizmente, isto é uma tendência natural dos profissionais... a gente fica estagnado, exceto se batalhar para impedir isto. Eu vou falar um pouquinho sobre isto... 
Todo mundo quer mandar um recado?
    No planeta, tal de Atlântida, vi muitas coisas que me permitiram avaliar o universo do jornalismo, pois deste depende integralmente meu crescimento como fotógrafo.  Aliás, não gosto de ser chamado de fotógrafo... sou fotojornalista. A diferença é sutil, mas eu não faço fotografia de aniversário, sem diminuir ou aumentar qualquer uma das atividades que empunham a máquina fotográfica. Se trata de ser visível por uma atividade que exerce... mas até mesmo os fotógrafos do meio jornalístico, chamam-se de "fotógrafos". Cada um tem o entendimento que quiser... Evidente que isto é livre, mas eu prefiro saber o que sou do que ser descrito por apenas empunhar uma máquina fotográfica...
Até pq, empunhar máquina, qualquer um faz... difícil é saber o que o cliente ou chefe da redação precisará! No planeta, vi dois tipos muito distintos de profissionais... os que lá estavam, com a faca nos dentes ou sangue nos olhos pra realizar o ofício; e aqueles que estava de alguma maneira procurando a zona de conforto, acomodados, alguns destes até esnobes. O ser humano almeja, alguns mais ou menos, todos de uma maneira diferente. Eu entrei nesta pelo ideal, não pelo dinheiro, embora precise muito do dindin, como a grande maioria. Não falarei tudo que penso sobre o ofício em uma única postagem.

Planeta Atlântida

    Sem dúvidas que este foi o maior e mais bonito espetáculo da música aqui na região sul do Brasil. Não tenho palavras suficientes para descrever e agradecer pela oportunidade oferecida, mas ainda assim tentarei. Cada artista que subia ao palco, deixava a todos arrepiados. Era artistas... são ídolos, simples assim! Música é algo que toca o coração, empilha esperança, alimenta a alma, derruba medos e traz confiança. Música é um pequeno texto sincronizado com o tom certo para convencer vc de alguma coisa... isto é música! Música é o que o mundo precisa, pra pensar e melhorar, mas não basta a música, é preciso querer! É preciso que os jovens queiram mudar, crescer, valorizar o que é bom. E a esperança que tenho é o que acredito... vai melhorar! O planeta foi show... perfeito! Cada um com suas preferências musicais, mas o planeta foi perfeito. Há o que melhorar? Sempre há, mas esta excelente! E enquanto houver algo assim de qualidade, haverá um profissional para eternizar tais momentos. É fato...