As cheias pelo Rio Grande do Sul... é mais amplo do que isto!


              
                Jornalisticamente o período de desastres relacionados as chuvas foi um sucesso... Os jornais venderam todo tipo de tragédia e sofrimento com a insistente chuva que "assombrou" o sul do país nos últimos dias. Todos viram os "pecados pagos" por aqueles que possuíam suas casas a margem de mananciais hídricos. O Guaíba esta estufado... não sabe mais onde vai colocar as águas que descem da serra e região metropolitana. Foi água pra ninguém reclamar por uns 6 meses... mas nem é tão simples assim, pq até o verão esta água já se foi, então bom mesmo era que tudo existisse com ponderação do velho São Pedro. Se é castigo ou não, parece, em primeiro momento, que atinge apenas os desfavorecidos. Por outro lado, me pergunto como ficarão as lavouras... será que não foi água demais para alguns grãos, talvez para verduras, ou mesmo para o gado. Por onde passei percebi que o pasto só é visível em locais altos... longe se via o campo coberto de água, no exemplo da BR-448, tal Rodovia do Parque. O gado que reside nestes locais, foi retirado... levado para bandas mais altas, para desta maneira evitar as perdas. Triste mesmo... gado com fome é atraso em produtividade. Alface afogada não vinga... para qualquer mão que já plantou mesmo um tempero verde, saberá que não suportam as hortaliças. E as torres de alta tensão? Acho que não tem problema... acho! Vi pescadores, possivelmente amadores, pescando em lugares que nunca havia água antes. Se deu peixe, não sei... mas é no mínimo estranho e, pouco provável que o peixe seja abundante. Em tempos de Lagoa dos Patos cheia... choram os pescadores da região costeira, pois as larvas do camarão não chegam a entrar devido a forte correnteza de contra fluxo. Sem alface, gado magro, sem camarão, sem milho, nem arroz se mantem forte a 1 metro abaixo dágua... e tudo isto frente a uma forte crise que passa o país, sucessão de péssimas gestões, apresentadas pelos últimos governos, do Federal ao Estadual, pura frustração! E com tudo isto, vi os jornais focados em miséria das perdas de casas abaixo dágua... parece um problema até desfocado! Cá entre nós, não parece falta de inteligência ou talvez aproveitamento da falta de tal adjetivo no leitor? Povo sem virtude... acaba daquele jeito, igual ao hino riograndense. E não pense que não lamento pelos ribeirinhos... pelo contrário, lamento muito, lamento por ver algo que vai além dos problemas do momento destes ribeirinhos. É a economia que esta em perda com tudo isto... e se a oferta diminui, aumenta o preço! Como fica o ribeirinho? Mil desculpas a quem discorda, mas os problemas são mais amplos que o faturamento de um jornal. Se vende um jornal para quem esta no quentinho do lar, com meias secas! E o jornal... só vender quer, não pensa em educar seu povo, mas a culpa recai sobre as escolas.