O espetáculo não pode parar... e o fotojornalismo também não!

No Araújo Viana, em Porto Alegre. Foto: Roberto Furtado.com
Estou afastado do fotojornalismo das ruas por alguns dias... vamos dizer que já tem uns 40 dias. Nos últimos 20-30 dias trabalhei 7 dias por semana... para mim é um prêmio, pq trabalho é o que quero e, não tem melhor maneira de ser reconhecido como profissional. É bem simples... fotojornalista requisitado é profissional que atende o cliente com excelência, então é a prova real. 
Outro dia fui fazer uns registros no Araújo Viana e queria fazer uns testes de luz e opções para comprovar o efeito em materiais recentemente adquiridos. O teste foi um sucesso... acho que s registros também. Oportunidades são como pequenos fragmentos que juntos formam algo precioso. Separados, tais fragmentos nada representam, em conjunto se transformam em algo muito bom. Ser, existência, é algo muito relativo... é algo que sentimos e precisamos. Quero, portanto traço um caminho... se insisto e me dedico, faço acontecer. O espetáculo não pode parar pq é ele que escreve nossas vidas, seja lá qual for a perspectiva, mas o fotojornalismo esta a esmaecer para muitos, inclusive para os jornais com seus métodos e formatos antiquados... evoluir, isto é essencial. Não me fale em baixa qualidade da imagem para publicar em jornal pq o papel é ruim. Se assim pensar o repórter fotográfico, bem, já vou lembrar... tudo feito para o jornal, vai parar na rede. Na rede dá pra ver todo defeito... e por outro detalhe do exercício profissional, lembro-vos, fazer melhor, todos os dias, é preciso! Tudo evolui... pq haveria de ser diferente com o fotojornalista?