Nova Canon 80D promete qualidade superior com ISO mais elevado e maior resolução...

          Por vezes me arrisco nas críticas sobre os equipamentos fotográficos... no exercício profissional se consegue aplicar e utilizar algumas importantes funções da tecnologia. Por isto fiquei muito curioso sobre o lançamento da Canon 80D e resolvi fazer algumas observações. Anunciada em fevereiro de 2016, a Canon 80D já chegou ao mercado no exterior. O valor sugerido da Canon 80D nas eletronic shops e lojas especializadas gira em 1200 dólares. Ela apresenta algumas novidades vistas na 7D Mark II e outras câmeras da canon lançadas em 2015, porém em relação a anterior 70D se destaca pelos 45 pontos de foco, que na irmã mais velha este número era de 19 pontos. Aliás, a Canon 80D deve ter nascido precocemente, pois o lançamento entre a 60D e 70D teve período mais distante. Não fazia muito que a 70D havia sido lançada... e lógico que boas novidades surgiriam. Estes 45 pontos de leitura no caso de ambientes mais escuros e/ou com variações de luminosidade, também para o caso de uma fotografia esportiva, farão diferença. A resolução do lado maior passou de 5472, da 70D, para 6000 px da 80D. Isto pediu a aplicação de um processador mais moderno e ágil, pois de outra forma não seria possível manter a velocidade de 7 frames por segundo. Aliás, esperava mais velocidade de uma câmara cropada lançada em 2016, mas isto deve se apresentar na continuidade deste projeto... estou certo que a canon 90D, quando for lançada, não virá com menos de 8 or 9 frames per second no modo continuos drive. Considero realmente uma falha da canon manter a velocidade igual em modelo de mesma série, porém com atualizações na escala de evolução. 

A velocidade é importante...
A velocidade é uma questão importante para quem trabalha com esportes. É preciso ter uma máquina mais ágil para não perder o foco e para possuir mais opções em uma única trajetória do movimento. A canon 7D permanece sendo a melhor opção com valor acessível em relação seus adjetivos, possuindo um modo contínuo de 10 fotos por segundo. E a top Canon 1DX é excessivamente cara para muitos dos jobs brasileiros. Ainda mais agora que será lançada a 1 DX Mark II. É muito difícil ver este tipo de material nas mãos de fotojornalistas freelancer, e mais ainda nas mãos de profissionais de jornais. Muitos estão usando máquinas com conceito ainda cropado. O que é lamentável... mas também se observa que a qualidade das impressões no jornais não é boa mesmo. Então até faz sentido entregar um fusca para ruas que comportam até 40 km/h como limite. Só que qualidade é algo que se observa na tela dos monitores... e hoje, a maior parte dos acessos e leituras estão no mercado online. Bem, logo mais faço novas considerações... pra quem gosta!