O fotojornalismo deve mostrar a superação...

Rodrigo Schu, na Hand Bike, escoltado pelo carro de apoio e um ciclista que o acompanhava.
Foto: Roberto Furtado / Sociedade Audax de Ciclismo
            Desde que entrei para o jornalismo que me pergunto sobre a ênfase e abordagem dos assuntos... Há, em todo assunto, uma forma construtiva de abordar os fatos. A crítica é uma parte importante do jornalismo, pois ela gera a reflexão na cabeça do leitor... e é com isto que a ciência informativa busca a evolução de sua sociedade. Seria um ato pequeno demais apostar que o jornalismo tem finalidade exclusiva de informar sem nenhum propósito... ou buscar apenas a visibilidade do veículo. É um pensamento inútil... embora saibamos que a maior parte dos profissionais e veículos tenham este formato. E verdade é que o jornalista é manipulado pelo veículo, quando deveria ser ao contrário... mas o veículo manipula o profissional sabendo que ele depende do emprego. Por isto defendo os jornalistas que trabalham nos veículos... e não os veículos. Engraçado ter que abordar este tipo de assunto para justificar minha forma de trabalhar, quando vejo esta, como forma tradicional e correta do jornalismo. Preocupante é pensar na realidade do jornalismo... e aí vai explicar pro povo que jornalista não tem culpa do que escreve, quando o veículo manipula a direção e construção das abordagens aos interesses de um patrocinador... enfim, um grande problema. 
E pensando nesta questão vejo que assuntos de elementar relevância se perdem no espaço entre o tempo e a viabilidade. Quando os feitos não comuns, como de Rodrigo Schu, ciclista de uma hand bike, deveriam justamente aparecer em todo tipo de mídia. Estas são situações que lamento... e talvez Rodrigo nem tenha pensado como é importante o fato de ele mesmo superar-se. Quantas são as pessoas que poderiam conhecer sua história e com ela mudar de vida. E se não é este o objetivo maior do ser humano, enfrentar todo tipo de obstáculo, não saberia dizer qual é... Por isto, já que faço o que posso, destaco este, meu novo ídolo... Rodrigo, piloto de uma handbike, dono de seu próprio destino, enfrentando um desafio com 90 km junto de uma prova onde apenas ele portava tal tipo de ciclo de tração humana. "V" de vitória pra você Rodrigo... por nos motivar a enfrentar nossos medos, derrubando conforto, quem sabe uma mudança de vida, a evolução em nossas mãos!