Escrever ou abraçar


Roberto Furtado, 2014. 
              Falo muitas coisas através deste blog... eu perdi a timidez poucos milímetros por vez! Qualquer um que acompanha este diário andarilho deve ter fortes conclusões sobre o autor de tantos devaneios. É possível traçar um perfil, sintoma e desejos de um autor bastando ler o que ele escreve. Me fechar deixou de ser opção no dia em que descobri que ficava mais leve abrindo a caixa e deixando o vento arrastar as palavras. Se alguém me conhece por causa disto... bom, acho que é muito bom. Vejo muitas faces, vantagens e desvantagens de abrir a vida através de um canal público. A questão é que muitos conhecem vc pelo que escreve, mas vc não conhece estes muitos. E quando falamos de alguém que já alcançou mais de um milhão de views, talvez seja assustador pensar que pessoas estranhas me conhecem na intimidade redatora. Por outro lado, dá gosto saber que jamais recebi uma crítica negativa... e esta é uma garantia de que fiz certo, escrevi sobre coisas que melhoraram ou simplesmente se mantiveram neutras para estas pessoas.
Eu sinto muita falta da estrada, e ao mesmo tempo sempre quero voltar. Abraço e beijo meus amigos, também as amigas, como se fosse a última oportunidade, mesmo sabendo que não é... Tenho certeza que as pessoas pensam que isto é estranho, não todas, mas muitas. Imagine a inversão de papel... imagine alguém afetivo olhando para um alguém não afetivo. Próximo passo... marcamos a questão de que a vida não é eterna e que o relógio corre mais rápido que vc pode acreditar. E então, vc percebe que esta na metade da estrada, e nesta oportunidade olhando para uma pessoa que não demonstra seus sentimentos. Você pode fazer duas coisas por ela... abraçá-la ou ignorá-la. Qual opção parece mais construtiva? A tua ação foi 100% positiva... mas a reação é difícil de saber. Pode resultar em algo, pode não resultar... pode a pessoa estar pronta para uma mudança, pode não estar. Você tem a ferramenta, mas motores quebrados ou incompletos não vão funcionar na primeira tentativa. Alguns, jamais irão... contudo, vc tenta!
Bom, eu cheguei até aqui justamente para fazer uma relação de escrever ou não escrever... quando escrevo, escrevo para aquecer as pessoas com aquilo que tenho a oferecer. É uma forma de empilhar tijolos que construirão aquilo que chamo de muro da vida. Cada pessoa que participa deixa sua assinatura no tijolo.., você constrói um muro de um amigo, junto com outras pessoas que passaram e passam na vida dele. É importante para alguém... e na estrada encontrei muita gente legal, muitas pessoas interessantes e valores aos quais quero levar até o fim e durante a estrada também quero partilhar destas experiências com e para as pessoas. A vida é feita de oportunidades e fases... há fase para tudo, mas para o amor, bem, acho que não existe nenhum limite. Você vai curtir cada carinho que oferecer e receber... então, me parece bem produtivo, independente de escolhas. Escrever ou abraçar? Seja o que for... em ambos os casos, você vai se sair muito bem.