Eu sabia que você existia... e agora?

Com um Samsung J7. Foto: Roberto Furtado
                O olhar do repórter fotográfico é um sentido meio afiado... Digo isto porque não é normal as pessoas verem tudo em meio a tanta poluição visual. E eu passava por um muro quando percebi este cartaz colado... sem nenhuma assinatura e/ou identificação. Foi então que refleti sobre a questão da identidade... e percebi que isto poderia ter se direcionado para qualquer um, principalmente para mim, que o notei e dei atenção. Fiquei viajando nos motivos e intenções desta ação... imagine gastar dinheiro com algo, tempo, pra dizer: "Eu sabia que você existia". 
Foi pensando nisto que concluí que foi alguém que colocou isto aí pra mim... só pode ser pra mim. Ora, afinal, fui eu que vi! Não é mesmo? Só pode ser algum possível cliente ou futuro caso de amor que me procura... não imagino outra situação. Vou ficar aqui imaginando o nome dela se for para sonhar com o amor, ou talvez uma atividade na África se for para ser trabalho... mas que vou viajar nesta reflexão, claro que vou. Não perderia esta oportunidade em hipóteses alguma, sendo um grande sonhador... e afinal, não tive motivos para isto?