Alguma coisa pra pensar...

Bass Pro Shop, Las Vegas, Nevada. 
            Não sei como as pessoas caminham ao vento sem saber para onde e por quais motivos vão... este, certamente, é um dos gatilhos de tantas reflexões. Notável como não faz diferença alguma saber, mas mesmo assim, queremos, como se pudéssemos controlar o tempo e o espaço. Estar flutuando é uma sensação de deslocamento sobre o ar, água ou terra de forma a criar um atrito, mesmo que minimo, de nosso corpo sobre a superfície da existência. E eu, não quero parecer, de forma alguma, algum teórico físico, pois sou muito mais emoção do que razão... sem nenhuma pretensão de mudar isto, sem nenhum interesse de contestar a forma de quem pensa diferente. A verdade é que somos um pouco de cada coisa... há conhecimento científico e vulgar em cada um de nós, e há também o sonho. Ter a chama sonhadora é um adjetivo extra de um vivente... e isto, tenho, e não trocaria por nada. Torna meus dias mais azuis, meus pássaros mais coloridos, o vento mais afiado, e o calor mais interessante. Gostaria de ter alguma certeza em alguns momentos... sem objetivo de criar um caminho, apenas para alimentar e/ou adormecer as coisas conforme meu grau de interesse. Alimentar o que pode ser melhor aproveitado, desconectar o que não pode. Caio sempre naquela história de "a dúvida é o preço...", mas prefiro pensar que posso, em algum momento, cuidar das coisas como se fosse ordeiro e metódico, já, alimentando o que poderia ser um lado científico em mim. Não quero ser chato, mas é um pouco confortável permitir alguns pensamentos com a certeza... eu, não quero, em hipótese alguma, deixar de viver algumas experiências belas e passageiras do meu andar sobre este grande laboratório. Cada vez que eu viajo e vou para algum lugar, conheço alguém de quem me lembro pra sempre, mesmo que o rosto quase se apague... guardo alguma frase ou palavra, coloco no meu arquivo mental e por vezes tento saber como seria se tivesse a oportunidade de ver outra vez. É fato... toda rápida experiência divertida gera isto... nem toda, experiência de longa data pode o mesmo por nós. Assim, explica-se as amizades duradouras como raras, assim como as lembranças que o coração realmente quer reservar. Sento na cadeira, e quase todas as vezes, me vejo caminhando numa estrada cujo o horizonte é a linha que divide o céu e a terra, as vezes contornado de montanhas, as vezes distorcido pelo calor. Já sonhei com isto algumas vezes, inclusive quando criança, e talvez explique porque sou um andarilho. Agora, um motivo para isto... esqueça! Eu, você, qualquer um que chegue agora, jamais vamos poder trocar tal imaginação por ciência. A ciência é apenas um fragmento entre todas as manifestações humanas... ela explica e é tida como exata, como comprovadora, mas é uma jovem vida diante de um centenário. Há tanta física e química nas formas lúdicas de ver a vida, quanto na própria ciência, a diferença esta em um processo que criamos para comprovar... e aí se explica porque queremos controlar o incontrolável. Aonde vamos chegar com isto? Bom... não perca tempo perguntando, mas atente-se para o mais importante dos momentos, tal de agora, presente! Ele vai dizer quando e se haverá próxima oportunidade de algo que ainda não foi pensado, sendo o estopim de uma continuidade que na verdade é um outro começo. O começo de um novo dia... e para ver isto, basta ter alguma coisa pra pensar!