De vez em quando...

Lua, de agosto de 2017. É só uma lua... registrada sem recurso, sem um uma objetiva de longo alcance, com um grande crop para aproximar. Estava sem meu teleconverter, mas a vida é assim... vc faz, com o que tem, no momento que pode, nas circunstâncias que te oferece o universo. Foto: Roberto Furtado
De vez em quando eu paro de fazer o que estou fazendo para olhar o mundo...
De vez em quando eu penso no céu...
De vez em quando eu penso no passado...
De vez em quando eu penso nos meus amigos que não mais vi...
De vez em quando eu penso se as coisas seriam diferentes e como poderiam ser...
De vez em quando eu vejo a lua, grande, amarelada, vibrante, com relevo...
Sempre vi a lua como espelho, rebatedora, devolve a energia, a luz, o brilho ofertado pelo sol...
Muitas vezes, eu penso nela... As vezes até esqueço o rosto, cujos contornos foram esquecidos pela memória, mas eu sei que se olhar de longe, uma vez, vou lembrar tudo de novo. Quando eu era jovem... eu sempre achava que jamais esqueceria ela. A verdade é que eu estava errado, em parte certo, em parte errado. Eu jamais esqueci... eu esqueci até um pouco do rosto dela. Eu esqueci até coisas que só ela dizia, só ela fazia... trejeitos, manias, meio sorriso maroto. Eu lembro agora quando me esforço, mas esqueci. Eu não esqueci o amor que senti... não sinto mais o amor, mas não esqueci o que senti. Eu queria de alguma forma ter aquilo de novo... todo pensamento, carinho, visão de adolescente. A verdade é que nunca vai voltar... nunca mais. Se casou, se foi por aí... era tão misteriosa, sumiu no mundo. Duas vezes... uma por anos, outra pra sempre! Acho que foi a maior amiga que tive... atendia aos meus pedidos como se tudo fosse também do agrado dela. Ela sumiu... ligou uma ou duas vezes depois que nos afastamos pela segunda vez, mas um dia sumiu. Entre idas e vindas... uns 5 anos... baixinha, carinha redonda, dengosa, querida e carinhosa como só ela. Pra onde foi... tanto faz, tanto fez, tomara que jamais apareça outra vez... assim, se desta forma ficar, terei sempre uma história, pra contar! De vez em quando, conto!