Horizontes

Já estive, agora onde é... já não recordo. Em algum lugar de Nevada ou Califórnia. 
            O linha entre o céu e a terra... poderia ser tudo que conhecemos como horizonte, mas toda cultura acaba empregando palavras velhas conhecidas ao que pretendemos como ideias sobre o mundo. Me aventuro, sempre... pelos meus pés, quem me conhece de perto sabe que se a viagem é longa de automóvel, em algum momento peço parada. Gosto de, no meio do nada, descer do carro, olhar para as direções que o mundo puder me oferecer. Duvido existir uma outra alma tão sedenta de visões, especialmente de horizontes... eu enlouqueceria encarcerado, mesmo que fosse em um escritório com janelas. Não posso... sou do mundo, o mundo é minha casa. Fotojornalistas podem ter uns três ou quatro perfis... mas um deles, ao qual pertenço, sente sede de olhar. A pauta, muitas vezes, é interior. A pauta mais importante da minha vida se transforma a cada oportunidade, se chama jornada espiritual. Quando tenho tempo gosto de caminhar... se o lugar for belo e libertador, pode acontecer de caminhar até meus pés doerem. Já fiz isto... Receio ter caminhado mais 30 km em único dia, meus pés, dentro de um par de all star, ficaram moídos. Dor de caminhada é sempre superada pela alegria de tantos cenários... eu, jamais esqueço as imagens que minha mente "print(ou)". Por muito tempo quis um(a) parceria para isto. Desbravar o mundo é uma tarefa para dois, mas um, faz muito bem também. Atualmente, na vibe de que "a verdadeira felicidade é aquela compartilhada com alguém", faço gosto de ir acompanhado. Não confunda, companheiro(a) de trip e/ou jornada com outra coisa. Mantenha o foco... se for sua extensão espiritual, beleza, mas saiba separar as coisas. Ao caminhar, viajar, todos entram em um estado de espírito mágico... e tal, pode confundir as coisas. Horizonte é um lugar que se olha de dentro pra fora... prefiro entender assim. E assim, tanto de maturidade surge de acordo com a fase da vida em que estiver. Não posso e não quero parar... preciso, crescer, caminhar, olhar pro mundo. Observar tudo, refletir, entender como as coisas funcionam. 
Uma vez fiz uma caminhada muito interessante... não tinha hora, pra nada! Poderia começar num dia e terminar em qualquer dia... foi neste dia, que aprendi o valor da amizade, também de uma perspectiva diferente do amor. Acho que todo mundo deveria experimentar pegar na mão da parceira(o) por pelo menos três minutos numa caminhada. Surpreenda... olhe-a nos olhos, é estranho vc caminhar o dia inteiro de mãos livres, e então pegar na mão dela. Vais perceber mais do que o estranho contato das mãos, vais notar um sorriso dela, uma vibe ressurgindo de algum lugar. Surpreender... poucos são os homens que entendem o que é, depois de anos com a mesma companheira, redescobrir e ligar a felicidade da cúmplice. Eu, evidentemente, descobri acidentalmente, também me perdi dela. Ou ela se perdeu de mim, mas posso garantir que pelo tempo que existiu algo entre nós, foi bom. As pessoas não entendem que depois de tudo isto, ao fim, os casais simplesmente brigam, travam a porta para nunca mais se falarem com respeito. Eu... bem, achei que não fazia sentido. Ela também... tornamos a falar. De muitas coisas, e se não nos gostamos mais, podemos ser amigos. Horizonte é um adjetivo... você pode ter, talvez não. Se não houver esforço, talvez nunca tenha acesso a este entendimento. Se pretendo reconciliar com a ex mulher? Jamais... segundas chances para as mesmas combinações são praticamente impossíveis. E afinal, se o mundo é livre e o céu é o limite, talvez, em algum lugar, esteja caminhando sozinha, por aí, minha alma gêmea. Vou a luta, pelos meus horizontes...