Amanhecer

Um estranho amanhecer em Capão da Canoa.
               Algumas vezes gostaria de ser como muitas pessoas que jamais pensam ou escrevem sobre si mesmas... esperando com isto que simplesmente houvesse um vazio sobre o espaço e o tempo, algo que me colocasse numa situação mais confortável. No entanto, meu conforto se encontra em um lugar da confissão ou do que penso... talvez seja uma forma de externar todos os pensamentos e que entre estes esteja um receio de julgamento. Gostaria de entender melhor isto, mas acredito que não existe um caminho para simplificar ou que justifique este comportamento. Somos tão complexos que seria impossível derrubar todas as culpas ou medos com uma negativa ou exclusão de reflexão. Quando adolescente... disse para uma terapeuta que me sentia desconfortável por estar ali falando com ela, como se fosse um menino louco. Foi então que ela disse que estava vendo as coisas de uma forma que não era como deveria... estaria ali por ser um garoto inteligente e pensador, e não louco. E ela disse para mim, talvez para me convencer, que ficava feliz em saber que existia mais um garoto capaz de pensar e ter medo das próprias ações, que de outra forma o mundo seria um desenho inconsequente. Pelo menos na época foi o que entendi, e assim fiz uma releitura daquele momento. É bom saber, mesmo sem conhecer os motivos, que escrevemos nossas histórias através dos dias e com perguntas e algumas respostas vamos moldando o dia seguinte. Cada dia, tendo o anterior como base de aprendizado, nos coloca numa oportunidade constante e evolutiva de melhorar a maneira como nos relacionamos com o mundo. Eu gosto justamente disto... e caminho sempre nesta direção. Não me sinto culpado, não mais, pelas coisas que não acertei, principalmente por não desperdiçar minha vida com erros banais, menos ainda graves e irreversíveis. Converso com as pessoas e tento extrair delas o que há de mais valor... a essência, pois quando elas me oferecem isto, entendo que aprendo, mas mais que isto... eu tenho elas em minha vida de forma afetiva. Claro que isto é algo que só acontece com quem nos relacionamos de forma tão importante, pessoas as quais queremos tão bem. Tenho alguém que me ajudou a entender um pouco isto, também outras coisas. Eu costumava falar sobre minhas amizades, mas também sobre a importância de se manter alguém de um relacionamento anterior, em um novo status do sentimento, da amizade. Como se não pudesse perder alguém por completo, justificando a importância de não remover esta pessoa do passado, do coração, mas foi então que as coisas simplesmente ficaram mais claras para mim. Este alguém, que é alguém muito importante para mim, me disse que preciso simplesmente deixar as coisas fluírem, passar! Isto não me faria um descrente do afeto, ou algum tipo de pessoa ruim, apenas deixaria o espaço para ser ocupado por alguém que pudesse ou devesse. E em mim deixaria o espaço vago para alguém que então estivesse realmente precisando de mim. E quando falo isto, falo de amizade. Não tenho certeza de que este é o caminho, tampouco julgaria alguém por fazer isto, ou exatamente o oposto, apenas encontrei uma forma de ver as coisas que pudesse me deslocar pelo tempo em uma forma mais confortável de ver o passado. Não ficaria preso, nem mesmo em parte, pelo passado, considerando que o presente é a única coisa que realmente importa. É estranho acordar e sentir que esta transformado em outro formato... o amanhecer para alguém é como estar em reinicialização, em reset, para que as coisas tenham uma chance real de funcionar, de forma totalmente livre do formato anterior. Deixar o passado em seu lugar é uma forma de ajudar a você mesmo, mas também as pessoas que pertenceram a sua história com uma nova chance. Sou grato a elas... do passado, mas sou grato ainda mais a quem esta me ajudando com isto.