Caminhos... velhas pegadas simples!

Não posso parar... sinto muito, sou um Andarilho correndo atrás de velhas pegadas simples. Da coleção #rotadosfarois, de Roberto Furtado.

            Em algum momento encontrei minhas próprias pegadas... elas pareciam diferentes das atuais. As marcas eram limpas, menores e mais simples. Indaguei-me sobre as diferenças sem lembrar quando por ali passei. Não encontrei respostas que me satisfizessem, porém, algum tempo depois, percebi que a simplicidade das pegadas só poderiam ser da minha juventude. Era eu menos vivido, trazia uma bagagem menor e comigo trazia a pureza da inocência. A juventude é como uma folha em branco e quando vivenciamos escrevemos sobre ela. As marcas deixadas sobre a folha transformam nossa ingenuidade de acordo com nossas capacidades de absorver ou desviar, pois de todo caminho surgem imprevistos. Os caminhos são inevitáveis, a velhice, idem! Talvez possamos apenas nos sentir confortáveis deletando as cicatrizes dos tombos, ficando apenas com os ensinamentos. Os caminhos... eu os quero! Eles me transformaram em alguém melhor, pois a vida adulta tende a nos piorar e somente a reflexão nos traz de volta para as velhas pegadas simples.