O som dos meus passos...

Fim de tarde no Guaíba, Porto Alegre, em frente ao Iberê Camargo. Com um celular Samsung J7, foto: Roberto Furtado.
           E chegou o final de domingo... e eu, pensando entre tarefas acadêmicas, uma pausa para o minha corrida. Já imagino que será praticamente impossível correr antes de quarta, pois esta semana tenho muitas atividades para conciliar. Eu... sou, possivelmente sempre serei, um eterno dependente de cenários para reiniciar meus ciclos, daí então, imagino, um motivo importante para ter me tornado um fotógrafo. Eu morreria se ficasse confinado em um lugar sem janelas, sem horizontes! Finais de tarde, ou amanhecer... estes, me cativam! Há tanta beleza em contra luz, também no dourado do sol, idem para as nuances de azul do infinito céu. É bem bom... e é barato, melhor... é de graça! "A vida é de graça, tem gente que paga pra viver..." (Vera Loca).
Fui para a orla da minha Porto Alegre... eu queria correr, bem de boa, tipo num ritmo para ir e voltar, sem estresse muscular, sem dores por correr no asfalto. Seja vagaroso, contínuo, sinta seus pés e sorria... impossível um corrida ser melhor! Saí correndo, primeiro de som alto... aí percebi que queria ouvir o som dos pés tocando o asfalto. Então, escutava aquele toque toque de cada pé, um ritmo, sereno, contínuo, pensando nas batidas do meu coração... é tão bom sentir, o vento, o calor suavizado pela brisa. As referências... nosso presente! Não sabemos e não conhecemos nada sem o que já existe... é disto que que comparamos e sentimos. Ter noção... de si mesmo, do mundo ao redor, ser o centro de um universo de forma responsável, afinal, somos temporários. Não perca tempo... isto aprendi e não posso mais deixar de pensar. E no som dos meus passos, bem, de agora em diante, sigo, sorrindo, cantando em inglês errado, pensando como é bom ir além sem pensar aquém. Os meus passos tem um som que aprendi a entender... antes tarde, do que depois. O som dos meus passos...