Velocidade... não brinque comigo!

BR-448, ao cair da noite. Foto: Roberto Furtado

               Nem percebemos... mas o tempo, passou! Me vi algumas vezes com medo, como todo mundo que se submete à vida. Ela corre, pede, oferece as cartas e, sabemos que pouco de tudo controlamos, outra parte apenas nos sujeitamos. Cheguei aqui sem receita de bolo pra viver... tive que aprender tudo do jeito que podia. Pessoas próximas, como meu avô, minha mãe, cuidaram para que eu tivesse algumas facilidades no caminho, outras vezes caí de cara no chão, inclusive, literalmente. Caminhei, arrumei uma profissão, depois de um tempo, mudei de profissão, também fui casado, também estudei e abandonei, tornei a estudar, abandonei, tornei a estudar, agora estou indo e possivelmente vá me formar. Os passos são engraçados... querem que acreditemos que mandamos nas coisas, mas são as letras pequenas que não lemos que decidem por nós. Ou de outra forma não seríamos surpreendidos nunca, jamais. Alguém diz que não vai mais morar contigo, ou você diz... Ou teu chefe oferece novas condições que no fundo é para tirar proveito ou te fazer ir embora. Ou outro motivo te faz mudar tudo. E tudo tem passado tão rápido como comer uma pizza, como o tempo que passou voando durante uma conversa com aquele amigo que tu queria que fosse teu irmão. Aquela garota, que tu chama de namorada, te disse: "Vamos dormir, já são duas da manhã!". 
O tempo voa... tem até uma letra de música, da Vera Loca que diz... "tá ruim demora, se tá bom vai embora!", chama-se velocidade. Eu juro que aos quase 42 anos, tentei, e tentei, e tentei encontrar um meio de controlar o tempo. E não consegui... depois entendi o que John Mayer quis dizer com a música "stop this train", pois era impossível. Talvez alguém consiga, por isto sigo tentando, porque se eu desistir jamais vou saber se é possível. Eu queria que meus amigos lessem isto... não por ser brilhante, mas para eles não esquecerem que o tempo é impiedoso. 
Tempo... só o que peço é que não brinque comigo, vivo na maior velocidade que posso, ainda que algumas vezes possa parecer insuficiente para tudo que gostaria.