Eu, fotojornalista!

Zoomei ao clicar, intencionalmente, para causar o efeito que se apresenta na imagem. 

Me deu vontade de rever o que fiz até aqui... pra atualizar o saber do que eu sou! Os shows são meus preferidos, mas adorava os trabalhos de rua. Muitos trabalhos perdi naquele HD novo, num raio que atingiu o bairro. Não adianta lamentar, apenas lembrar. As fotos ficaram espalhadas no tempo e no espaço... Fotografei shows de todos os tamanhos... para agências, para patrocinadores, para bancos de imagens e, claro que para mim mesmo! Me pego olhando o que é feito hoje em dia... a direção da fotografia e fico pensando o que aprendi no Foto Cine Clube Gaúcho e me lembro que me achava um aprendiz bem fraquinho. Só que o tempo correu e aquela teimosia em melhorar... era de fato, a melhor das qualidades que eu podia ter, além da observação. Hoje, vejo os parâmetros da literatura da fotografia, todos quebrados, como se jamais existissem. É verdade que fotos de todo tipo entram no mercado com o argumento de que arte é arte... ainda que no jornalismo isto jamais pareça adentrar. Imagino um mundo onde todo mundo faz o que quer, sem estudar, sem persistir, sem embasamento técnico, sem agilidade, contando com todo tipo de automatismo e comodismo. Bom... mercado é mercado. Lá fora o treco fala alto... ou você faz, ou não te chamam de novo. Não tem chance pra errar... a selvageria é ácida. Entrar no mercado pode ser questão de sorte, mas manter-se nele é quanto tu aguenta... persistir fazendo o que se aprende por toda caminhada da vida profissional. Quanto suei... quanta dor senti nas costas fotografando esportes, nas ruas ou em eventos longos e quentes. Isto tudo é o sabor mais doce que um fotógrafo pode sentir... não tem nada que alguém faça ou diga, tu tem uma caminhada, ela ilustra todo passado do qual participou, teu nome estará lá... nos cantinhos do jornal, das revistas, e hoje em dia nos veículos online. E o sabor de tudo isto é quando tu escuta... "eles vão te chamar!" É o que muitos chamam de sorte... de tradicional da fotografia para "chama ele pq tá garantido!" Sou sim um fotojornalista... eu não mexo na cena, sou antiquado, sou sim! Sou também... um dos bem poucos que circulam por aí e aos quais tenho orgulho de chamar de colegas. Isto não é arrogância, nem nada disto... é saber exatamente a que lugar pertence, justamente por uma história bem comprida de erros e acertos! Aos meus colegas...