2018... tudo ficou para trás! Tudo é sensacional!

Orla do Guaíba, dezembro de 2018. Foto: Beto Andarilho
Bom, esta nem de longe é a minha melhor fotografia... mas ela é uma das últimas e representa o horizonte como gosto, com cores. Envelheci, mas me vi com coração de criança... e de acordo com meus amigos jovens, pouco importa a minha idade, pois eles mesmos não me olham desta forma. Talvez eu tenha falado sobre a minha separação umas mil vezes... mas também não foi a pior coisa que me aconteceu, na verdade, foi uma das melhores. Seguimos caminhos diferentes e agora nem olhamos para trás... Permitir a mudança naquele momento foi espetacular... pois se 2016 e 2017 foram difíceis, 2018 foi sensacional. Devo muito aos amigos... mas também a força das minhas pernas e olhar persistente. Eu corri e me superei, emagreci, mas mais que isto, me senti vivo. Tive dores da velocidade que achei nem ter mais... cheguei a fazer os 5 km na casa dos 21 minutos. Eu tenho o hábito de me superar... de serrar os dentes na lâmina da faca. Nunca esqueço... fui um prancheiro e arrastei linhas contra a arrebentação centenas e ou milhares de vezes. Nunca vão me tirar isto... eu fiz isto enquanto outros olhavam com receio e me chamando de louco. Se tive medo? Muitas vezes... mas todo medo foi superado com persistência e fé. Se foi Deus ou eu mesmo quem teve uma força maior do que podia imaginar, talvez uma mãe que me encorajasse, não sei... mas eu fiz, isto e outras coisas muito legais. Eu caminhei dezenas de km na cidade de New York, no mesmo dia... eu pedalei pela Califórnia, eu pedalei 300 km em 18 horas, sem parar. Eu arrebentei meu ombro depois de um tombo feio... e pedalei mais 130 km com muita dor, enquanto os jogadores da seleção brasileira gemiam por quebrar a unha. Conheço o som do projétil cortando o vento por passar perto da minha cabeça, experimentei ser fotojornalista do front, que ganhava muito mal para fazer algo que gostava muito. Eu senti muita dor algumas vezes... mas eu lembro das vezes e gosto de olhar para elas como pequenas medalhas de prata, pois ouro pleno não tem tanto sabor quanto a prata da superação. Meus check points da linha da vida são estes momentos... alguns foram tristes, outros muito felizes. 
Tenho uma grande amiga... hoje ela faz papel de namorada, mas eu vejo ela como amiga a quem ofereço os meus cuidados, recorro para compartilhar alegrias e as minhas questões pessoais. Tenho me permitido conhecer bem alguém, também ser conhecido por este alguém. Tenho amigos, bem jovens... espetaculares, talentosos fotógrafos, acadêmicos da fotografia, meus colegas. Eu tenho muitos amigos aos quais daria a minha vida... porque não suportaria a ideia de viver sem eles, assim acontece com a minha família. Todos de agora... Sinto que fazem parte de mim, desta fase nova, mas que de alguma forma os enriqueço de experiências também... e sentir-se assim é especialmente bom. Eu tive menos tempo que gostaria, mas eu tive bastante tempo... Aos que se foram e não mais voltarem para perto, obrigado, pelos ensinamentos. Aos que ressurgirem, sejam bem vindos, aos que ficam sempre, não estaremos sós... senta aqui e vamos prosear durante um café.  Gostaria que todos vocês sentissem a textura da areia sobre os pés na praia... e reparassem no prazer do toque, de algo tão simples. Lembrem das outras milhares de sensações! Desconheço o que surge depois disto tudo, mas estar vivo é top. 
Estou procurando pela arte dentro de mim... as vezes elas aparecem em palavras, por vezes em fotografias, mas até meu entendimento sobre arte parece estar diferente. Prefiro chamar meus momentos de inspiração de caminhada espiritual... não crie dependências para encontrar a si mesmo. Nem religiosas, nem habituais, menos ainda se forem químicas. Você não sabe o poder de um carinho? Peça para alguém... 
Se posso deixar algum tipo de expectativa para o futuro? Sim... que seja como quiseres, mas que aconteçam coisas inesperadas para que possamos aprender, juntos ou separados, que sejam muitas sensações, mas que tu lembres de tudo, para contarmos um ao outro, pois partilhar me parece a melhor coisa da vida. Pra quem não sabe, ou esqueceu, sobre como represento o futuro... troco as reticências pelo cursor, pois agora não deixo apenas aberto o futuro, mas atualizo meus pensamentos para a era em que estou. Gratidão pelo caminho_