Eu e o Mount... coisas do acaso!

Na escuridão da noite, sob a via láctea, descansa o gigante que um dia teve 160 metros. Estive aí com Egon Filter, referência em astrofotografia, outra grande coincidência do caminho. Foto: Roberto Furtado
O naufrágio do navio Mount Athos ocorreu em 1967... eu nem era nascido quando ele descansou por ali e decidiu nunca mais voltar a navegar. De lá pra cá muito aconteceu, histórias se criaram com ele sendo o ponto de partida, marco, referência! Nasci em 1976, muitos anos depois, me encontrei com ele pela primeira vez. Nasceu ali, uns 26-28 anos atrás a nossa ligação. A Rota dos Faróis deve muito a este cara...considero ele tão importante para a Rota como qualquer farol presente neste litoral. Acredito que a Rota dos Faróis era destino certo e garantido, cruzado com meu caminho... definido pela construção das ações do homem sobre esta geografia. Meu nome é Roberto Furtado, assim como também possuem as iniciais do ofício que escolhi, de Repórter Fotográfico, também coincidiu com Rota dos Faróis. De acordo com alguns tudo isto é uma grande conspiração do acaso, já eu... prefiro me deixar seguir pelas fantasias. Não acredito que meu nome seja acaso... sou Roberto por escolha da minha mãe, Furtado pelo legado da família paterna. Curiosamente, meu avô Nelson Furtado foi um militar entusiasta do cinema e da fotografia, sendo um dos fundadores do Foto Cine Clube Gaúcho que de alguma forma deixou pegadas para eu seguir. Resolvi seguir este caminho cerca de 10 anos depois da morte dele... o que é também bastante interessante, pois do meu ponto de vista, já fazia muito tempo para resgatar pegadas. Então, me vi interessado por uma ciência que era interessante também ao meu avô, tornando-se meu ganha pão, tal da fotografia, depois fui apresentado pelo universo aos meus pais que me batizaram com o nome e meu ofício com as mesmas iniciais que a extensão do região costeira do RS. Tudo uma grande coincidência... ainda bem que sou um lunático, pois de outra forma eu não perceberia estas coisas. Cada ocorrência deste litoral ou acontecimento teve algum tipo de ligação... os naufrágios, acidentes, construção dos faróis, meu interesse pelo projeto, as pessoas encontradas pelo caminho, tudo me parece uma obra do universo. E aos olhos de alguns... tudo isto é uma grande coincidência. De fato... a galera é realmente cética, mas eu me permiti viver em um mundo de fantasia que torna minha própria existência um bom motivo para me envolver com coisas boas.