Na probabilidade... vota no diabo!

Porto Alegre, RS, 2013
Vou digitar apenas umas poucas palavras sobre o pequeno louva-deus. Este pequeno inseto é muito interessante, se move diferente de outros seres vivos. Ele parece que tem conhecimento da maldade humana e quando qualquer homem se aproxima, tem reações de fuga em movimentos bastante estranhos. Para vc ter a noção deste pequeno vivente, a plataforma que ele esta apoiado é o final de um cabo de vassoura.
O carinha era pequeno mesmo... mas eu perdi alguns minutos observado, são seres incríveis. Bem... agora mudo de assunto. O incrível e valioso da liberdade é justamente a opção de escolher... Escolho arriscar, e então perco ou ganho, mas desta forma vivo a possibilidade. Quem cuida destas probabilidades diria que entre ganhar ou perder, existe duas opções, há somente 50% de chance para cada um dos lados. Contudo, a matemática, bem como toda ciência, precisa ser adicionada de fatores relevantes para que o cálculo seja existente e justo. Se o carro sem gasolina estiver no topo do morro, seria muito fácil dizer que ele pode ou não descer a ladeira e desta forma atribuir duas possibilidades com percentual de 50% para cada, mas na verdade vc trapaceou! Omitiu que o carro estava com a roda dentro de um buraco, que funciona de forma mais eficiente que um excelente freio. Ao soltar o freio de mão... o carro fica estático. A diferença entre mentir e omitir pode ser mínima... de acordo com a circunstância, agregar informações pode ser um gesto da honestidade. A política brasileira parece que esta fazendo mau uso destas oportunidades. A cada nova época de eleição, os eleitores escutam estas formas de manipular a reflexão do povo. E aliás, que povo burro nós somos! Damos emprego a quem faz coisa nenhuma, pagamos muito bem, ainda conseguimos manter jogos de interesse entre partidos. Parece que não basta para os eleitos simplesmente ganhar um emprego temporário de 4 anos com excelente salário, grande parte deles usa para beneficiar a si próprios de forma direta ou indireta, com favoritismos e indicações, e até mesmo com jogos ilegais para manipular e extrair dos cofres públicos a grana almejada, custe o que custar! A rainha disse para os soldados em relação a Alice: "Cortem a cabeça dela!" Assim acontece com o povo que nem mesmo responde aos efeitos dos governos matreiros. Esquecemo-nos que votamos em alguém, derrubamos um para colocar outro crápula no sistema. E com ele vem toda uma "patota" de salários bons e oportunidades temporárias. Todo mundo vê, fazendo de conta que não existe... Têm gente que perde tempo dizendo que já viu E.T., pois digo que eles não nos fazem mal algum, já os políticos do Brasil...
Quando vc for votar, na falta de opção, escolha! Lembre-se, o político que faz promessas é um mentiroso... ele diz que vai ou que não vai fazer, e faz ao contrário. Na dúvida, vote no diabo, pq ele diz pra vc o que vai fazer. O diabo é mal? Pode ser... mas ele não mente!

On the air... as pegadas que vi!

Nova Hartz, RS, 2013.
Deveria deixar este tipo de abordagem para o Bikes do Andarilho, porém, quem passa por aqui não necessariamente passa por lá... e por outro lado, o leitor de lá já conhece o trabalho e o perfil de material que passa por lá. Posso dizer que nunca imaginei aonde eu chegaria com minhas aspirações, com minhas iniciativas reflexivas, contudo, acho que em toda estrada é inevitável uma consequência. E neste caso, a atenção que conquistei das pessoas, acaba sendo um prêmio. É muito bom ter voz (ou texto lido)...
Nesta jornada de repórter fotográfico acabei descrevendo uma história bastante interessante, talvez "cunhada" a ferro da insistência. Estou a tantos finais de semana trabalhando nos eventos esportivos da bicicleta que acabei percebendo que já não sou um menino no exercício do trabalho. Uma vez, um mestre da fotografia me disse: "Roberto, tu é só um menino, mas teu trabalho esta ficando incontestável!" Foi então que percebi que olhando para trás havia pegadas em direção ao horizonte, pegadas que sumiam no infinito visível. Estranhamente, em alguns momentos me sinto um guri (garoto), em outros, um adulto cuja limitação começa a apresentar o fim de alguns adjetivos da juventude. Me sinto energizado para muitos trabalhos que tantos refugam e com a experiência que os jovens não possuem... acho que é normal sentir isto, mas é um pouco assustador. Eu não sei onde vou acabar... minha estrada é inicial, ainda que eu tenha 200 eventos oficiais da bicicleta cobertos pelo meu olhar. Me tornei uma pequena referência de trabalho neste segmento, algo que nunca imaginei. Alguns amigos e colegas fotógrafos já me disseram isto... um deles me perguntou: "Como isto aconteceu?" e eu disse: "Eu fui a tudo que podia, acordei cedo sempre, dirigi centenas de quilômetros em um único dia, queimei o dedo na máquina fotográfica, escrevi e soltei no vento o meu trabalho!" Já fui em diversos lugares, conheci pessoas, e até mesmo equilíbrio de uma bicicleta pela objetiva da câmera. Eu me tornei resultado de mim mesmo... eu aproveito um momento "on the air!" Me tornei único, me tornei referência de trabalho, copiado por aqueles que querem experimentar o mesmo lugar... seja aqui ou em SP, SC, etc
Fico feliz de saber que me tornei referência, pq lutei muito para isto... e digo aos que vierem em parecidas pegadas: "não percam a humildade, pois é ela quem ensina! Não deixem de ajudar os colegas... pq ninguém vem ao mundo sabendo e não é preciso ter medo de ser substituído. Só um tolo acredita que um pouquinho de ajuda pode substitui a experiência!"

A estrada brasileira

“Há tempos que observo...” já disse isto umas 20 vezes este ano! Sempre que posso pergunto para as pessoas do meu convívio: "O que vai ser do futuro?"

Todos mudam de expressão e devolvem para mim a pergunta sobre o que eu acho do Brasil. Ninguém sabe o que nos espera, mas muitos sabem que pela frente não há apenas coisas boas para enfrentar. A criminalidade esta completamente solta, aos exemplos políticos que alimentam marginais de todas as categorias ao balanço da impunidade. Grandes ações impunes geram garantias de pequenas ações impunes, ao passo que no decorrer da história, todas as ações incorretas se tornaram banais. Chegamos ao ponto do roubo dos cofres públicos não serem mais um problema, tampouco habituais assaltantes. Quando se trata de criminosos viciados em algum tipo de droga são vistos como doentes. Doentes? E como fica o povo que luta diariamente para sobreviver? Ele é o motivo da doença que fuma crack? Para explicações incompletas, basta repetir a pergunta. Pq? Pq? Pq? Todo mundo desconversa... os menos fortes, antecipadamente, pois ninguém aguenta a incerteza e o medo disto que estamos enfrentando. Muitas vezes fica sugerido de que as pessoas aguardam por uma mudança repentina... li dias atrás um texto de Arnaldo Jabor, colunista que admiro muito por dizer as verdades em tom irônico. Acho que a forma como ele descreve os problemas e ao mesmo clama por atenção é uma forma de nos alertar. Assim: "Vamos seus palhaços, acordem para a vida! Estamos sendo feitos de trouxas!" Contudo, não há resposta, exceto para manifestações mal sucedidas, sobretudo tardiamente, pois estamos ao pé da copa do mundo, sediada agora no Brasil. Vai ser uma ótima oportunidade de muitos estrangeiros mudarem-se para o Brasil, pois estes que aparecem em nossas praias vendendo qualquer porcaria para obter sustento, evidentemente provem de países muito mais pobres que o Brasil. Por incrível que pareça, para vc saber quanto é bom por aqui, basta vc observar a média e origem dos últimos imigrantes do Brasil, entre legais e ilegais, obviamente. Ontem fui a uma cerimônia de entrega de documentos da OAB e escutei o hino do Rio Grande do Sul, onde tem um trecho que sempre fico indo e voltando, cantando para mim mesmo, martelando, que diz: "povo que não tem virtude, acaba por ser escravo!" Ali, naquele momento, observei todos os advogados veteranos e recém formados, falando sobre um sonho de ordem e justiça, algo que soou para mim tão surreal para quem conhece as ruas e manchetes dos noticiários brasileiros.  Eles acham que isto é viável... assim como eles, muitos também acham. Eu já não sei como vai ser colocar ordem nesta bagunça. Como vai ser moralizar novamente o governo, as polícias, ou o respeito ao próximo? Nossas mulheres e crianças poderão caminhar nas ruas a noite novamente? ou isto é um fragmento temporal que não retornará? Alguns dias acordo tão confuso... e o que fazer? O que vai ser da nossa estrada?

Estrada profissional x estrada dos caminhos = vida!

Estrada RS-240, 2014.
Este final se semana foi de grande dedicação... trabalhei na cobertura fotográfica no qualify do campeonato gaúcho de downhill, em Feliz. No domingo fiz a conbertura do audax 200 km  da Sociedade Audax de Ciclismo de Capão da Canoa até as proximidades de Cambará do Sul. Rodei com o carro uma distância que superou 700 km em dois dias, produzi aproximadamente 1200 imagens, sendo 800 para a prova de longa distância e cerca de 400 para a galera que voa alto nas pistas de dh. O sabor de exercício da função, mesmo que muitas vezes excessivamente cansativo, fica parecido com a conquista que vi nos olhos dos ciclistas e pilotos. Eu ganhei medalhas virtuais juntamente com as verdadeiras dos atletas. Eu vi a estrada de perto, cenários lindos da urbanização e da natureza... vi animais silvestres, vi sorrisos de quem se divertia em ir para o extremo desempenho, vi os km parecerem minutos consumidos da vida. O valor da vida é maior que tudo e me deixa muito triste perceber que as pessoas estão sendo irresponsáveis no trânsito, onde por sorte, as baixas desta guerra não são tão expressivas como poderiam, de acordo com a conduta dos motoristas no trânsito. Eu sei que é perigoso, sei que sempre que pegamos a estrada, corremos o risco eminente de não voltar. Contudo, não é errado ir... errado é o jeito com que as pessoas enxergam os automóveis, a maneira de conduzir é o problema. Talvez um dia exista um sistema que impeça o motorista de se comportar desta forma, quando a voz da população for realmente decisão sobre um erro de um motorista. Digo de forma preventivamente... antecipada, quando alguém pratica a direção perigosa, ou até mesmo erros em outras maneiras de se comportar em sociedade, será coibido permanentemente de manobrar um veículo. "Armas não matam pessoas, carros não matam pessoas... pessoas matam pessoas!"
Espero que este post "chato" possa gerar alguma reflexão, para que as pessoas um dia possam evitar um acidente e uma vida deixe de ser perdida. O papel do Andarilho é conscientizar... entreter, alegrar, tornar do conhecimento das pessoas algumas realidades, mas acima de tudo, garantir a integridade das pessoas de bem. 

Nos olhos de quem vê!

Flores da Cunha, RS, 2013.
Teve outras oportunidades que escrevi e disse a frase: "a beleza esta nos olhos de quem vê!" Perdi as contas de quantas vezes disse isto. O papel de fotógrafo, de qualquer natureza, é transmitir a informação visual de um momento. Quando este assunto é fotojornalismo, podemos dizer que se intensifica o lado da verdade e se perde quase que completamente a poesia. No entanto, se quisermos separar os dois tipos de ofício, tal como um profissional que registra belezas únicas e o fotojornalista, perceberemos que na verdade eles têm o mesmo interesse... a perfeição da informação! Eu já me perdi no tempo observando as questões de uma possível fotografia, quando o assunto era enquadramento, composição e algum poluente destrutivo desta tentativa de criar uma janela do tempo passado. E posso dizer que a simplicidade pode ser um excelente atributo da beleza. Note, galpões velhos, folhas secas e amareladas de um parreiral. Isto, poderia ser visto como feio ou como uma imagem que passou... haveria alguém que faria diferente. Digo que sim... certamente, pq habilidades são diferentes em cada um, tenha 10 ou 90 anos, tenha muita ou pouca experiência, talvez específica vivência, talvez outras aspirações. A melhor resposta é que somos verdadeiros tesouros... somos únicos!

Olhar de coruja ao oportunismo...

Capão da Canoa, RS, 2012.
É apenas uma forma de olhar... olhar aparentemente desinteressado, por outro lado atento a tudo que acontece. Assim estava a coruja no dia em que troquei uma ideia com ela... acho que estas são acostumadas com o movimento de pedestres e curiosos. Na verdade há pelo menos uma dezena delas em pequena distribuição de dunas de areia em frente aos prédios que cedo escurecem o habitat da vida selvagem que ali vive. Fico pensando no impacto ambiental, talvez até mesmo favorável as corujas e desfavorável as presas... pequenos lagartos e roedores, talvez alguma outra presa eventual local. Por volta das 17 horas, em dados locais já não bate sol nas dunas... pq ao entardecer o sol se esconde atrás de prédios de 6, 7, 8 ou 9 andares. Tem de todo tamanho... as corujas ficam ali observando aqueles seres humanos sem sentido, entrando e saindo de suas tocas empilhadas. E tem quem acredite que aquilo é bonito... aliás, tem gosto pra tudo! Eu curto mais a vida de coruja, tipo barraca nas dunas de areia morna ao anoitecer. A vida de Andarilho pode fazer mais sentido se a gente tem hábitos e apreciações diferentes. Sou mais a coruja do que os prédios... mas sou suspeito, sou do time da coruja! Olhar de coruja me parece ter muito sentido... indiferença aos que simplesmente criam problemas na vida alheia. Nós somos assim... nós criamos problemas a vida selvagem. Sem radicalismo, mas que oportunismo!

Física e química... a mágica da Vida!

Em algum lugar de Teresópolis, 2009.
Sentado no degrau de uma escada, aproveitando a sombra das árvores, estava fazendo uma pausa para tudo que a vida urbana exige. Em frente a flores, e em silêncio, observava uma borboleta, inseto que admiro por suas qualidades e estranheza de vida. Penso sempre, toda vez que vejo uma mariposa ou borboleta, que este animal que classificamos como inseto e o vemos como inferior, nas tantas qualidades e aprimoramentos de sua genética. Aprimoramentos que talvez jamais possamos copiar ou entender. O homem tenta copiar pássaros e outros animais, aplica todo conhecimento e tecnologia que possui em construções que saem do solo como vespas de aço, alumínio e plástico, fazendo barulho, arriscando a vida de milhares em favor do desenvolvimento, e condenando uma infinidade de insetos que por azar cruzarem seu caminho. Isto é a poesia que o homem acha que faz, se maravilha com tecnologia, mas nunca a usa para defender a natureza. E em tempos de defender a biologia, estamos, pq não fazer. Não há como fazer cifras defendendo o meio? Creio que sim, que seja possível. Tudo será uma questão de convencer o consumidor que de alguma forma isto é necessário. Durante meus pensamentos que muitos chamariam de tolos e despropositados, a borboleta em sua rotina voadora, parecendo ter pressa, tentava pousar nas folhas de uma pequena bergamoteira. Achei estranho, pq não pensei que elas gostassem deste tipo de árvore. Havia um pouco de vento, mas insistentemente a borboleta pousava, era retirada da posição desejada, tornava a voar, e continuou daquela forma por alguns minutos. Em dado momento, refleti sobre a física daquele pequeno animal, onde o vento cortava seu caminho, que era usado para poupar energia. Notavelmente ela parava de bater as asas por longos e coletivos segundos. Como já fui estudante de engenharia mecânica, e por isto tendo alguma noção de física, fiquei imaginando o vendo sendo redirecionado sobre suas asas, de forma a transformar aquela energia gratuita em força ascendente. Pasmo em minhas próprias considerações, fui novamente surpreendido quando definitivamente a borboleta aterrisou sobre uma das folhas. Naquele instante, fixou-se e em seguida começou a depositar seus ovos. Um atrás do outro, em pequeno espaçamento de tempo e movimentos que compreendi serem necessários para expulsar ovos de seu interior. A cada minuto de obervação ficava mais maravilhado, e conclui que aquele pequeno animal, capaz de voar como não podemos, teria naquele momento depositado “sementes” que produziriam mais de 30 novas aeronaves naturais. Em toda sua inocência, a superação de “N” dificuldades e a vontade de vencer. A vida do pequeno ser vivo, para garantir a chegada de outras tantas, necessárias para manter o equilíbrio entre polinizar e transferir a matéria de um lugar para o outro. Os fragmentos de vida espalhados por ela, disseminavam vida e esperança de futuro... e o aproveitamento que ela tem da vida, entre ser ovo, lagarta e aeronave perfeita, provavelmente não dure mais que 30 dias. Esta é a mágica da vida, na forma de química e física, perfeitas, que o homem jamais atingirá em suas boas ou más intenções.
Este texto é verídico, nada foi fantasia! Dedico ele as pessoas da minha vida, dentre elas a família, amigos, colegas... usem a reflexão para serem pessoas sempre melhores. 
A química e a física estão em todos os animais e vegetais, na verdade em tudo que é vivo. Não há vida sem C-H-O-N, tampouco sem gravidade!
Acreditem em si próprios, mas acreditem também em nosso planeta. Estamos aqui por algum motivo que não entendemos ainda...

Rua Gonçalo de Carvalho... a mais bonita do mundo!

Vista panorâmica do topo do prédio Hospital Moinhos de Vento
Um título de a rua mais bonita do mundo... bem, eu fui para Nova Iorque ano passado, estive em Las Vegas, assim como outras cidades incrivelmente bonitas, mas eu nunca imaginei que um dia escutaria isto. Esta vista representa um título de a "rua mais bonita do mundo" a uma pequena rua chamada Gonçalo de Carvalho. Uma rua com apenas 3 ou 4 quadras. E sim... charmosa, arborizada e totalmente urbana. A Revista Bicicleta me pediu uma matéria sobre Porto Alegre, mais ou menos no sentido do que vê o visitante quando visita a cidade. A verdade é que esta vista não é de acesso liberado ao público, embora ninguém devesse ser privado de tanta beleza urbana. No canto inferior direito esta a Ramiro Barcelos, no lado esquerdo aparece uma rua totalmente coberta pelas copas das árvires, esta é a Gonçalo de Carvalho. Ao fundo no horizonte da rua é o centro de Porto Alegre, e a direita ao fundo se enxerga o Guaíba. Aqui no cantinho superior esquerdo aparece parte do heliporto do hospital. Aproveito esta publicação para agradecer a equipe do marketing do Hospital Moinhos de Vento pela oportunidade, pois de outra forma seria impossível realizar algumas imagens do local. 

Full MTB... downhill in Itapuã

piloto: Marcelo Meier

piloto: Victor Vidal
Pilotos experientes se reuniram em Itapuã, na Granja Armadilhas, para desfrutar do cenário ímpar de belezas naturais da região. A vida selvagem é exuberante em Itapuã, com bugios, lagartos, pássaros e outras espécies. A Granja Armadilhas, propriedade onde estão as pistas, já sediou uma etapa do campeonato gaúcho de DH.