Utilizando recursos sofisticados para o fotojornalismo?

             Já fotografei um pouco de tudo... mas na verdade não fotografei nada ainda! Quanto mais temos a oportunidade de fazer, mais descobrimos que não sabemos. Este é o sentimento mais interessante que levo comigo sobre aprendizado. Já estudei ciências diferentes, como cálculo e física, também biologia, me interessei por arte muitas vezes. Acho que em algum momento podemos juntar tudo de forma inconsciente, pois fotografia é justamente a junção de toda física da Terra com qualquer coisa que vc sonha e vê apenas em única oportunidade. E quantas vezes foram as oportunidades perdidas... pois fotografia é uma fração tão pequena do tempo que nem o gatilho mais rápido consegue perceber. Já vi animais na mata atlântica que jamais consegui fotografar, imagine o que há para ser registrado... é um universo! Enquanto espero novas oportunidades e maturidade, me vejo exercitando algumas poesias fotográficas, como esta foto acima. Aos curiosos... nada de especial. Utilizei uma canon 7D com 70-200mm 2.8 e uma teleconverter 2x II. E saiu esta prova da estrada em busca do desfoque contra luz. Nada de especial, apenas registros fotográficos...

Mais sobre a situação da cheia do Guaíba...

Nas ilhas, casas estão inacessíveis. Foto: Roberto Furtado / Agência Futura Press
No bairro Guarujá, junto do valão que transbordou. Foto: Roberto Furtado / Agência Freelancer
Cachorro busca um lugar seco... várias casas abaixo do nível da água. Foto: Roberto Furtado / Agência Freelancer
             Estou acompanhando as cheias... O Guaíba foi ao nível elevado como há tempos não se via, e agora custa a voltar pra caixa normal! A pior situação é nas ilhas, próximas a ponte do Guaíba, pois os acessos a localidade também estão abaixo dágua. Na zona sul de Porto Alegre se consegue sair e chegar com facilidade, por isto não se compreende a falta de socorro nestas localidades. Residentes dos bairros Lami e Guarujá, bem como de outras localidades na zona sul de Porto Alegre, reclamam a falta de atenção das autoridades nestas regiões. De acordo com os moradores da zona sul de Porto Alegre, mesmo que sejam pagadores de impostos, por terem maior nível social, estão esquecidos pela prefeitura e defesa civil. "estamos esquecidos, apenas pq não somos miseráveis!" Diz o morador JC que não quis se identificar e que saiu de casa para buscar pão utilizando galochas pq dentro de sua casa a água invadiu todos os cômodos. 
Outro grande problema é a a desatenção com os animais. Os moradores que abandonaram as casas e que possuem cães bravos, na falta de opção de onde deixar os animais, acorrentaram-nos na beira de estradas e em lugares mais altos. Talvez estejam abandonados, talvez alguém volte para busca-los.,. logo saberemos!

Isto não é um review... 1ª Parte

    
          Isto não é um review... até pq existe muito site fazendo isto e, não seria este fotojornalista que faria um teste sobre este assunto. Meu papel com as câmeras é bem restrito ao fotojornalismo... acho que falar das câmeras sobre o uso específico e abordar vantagens e deméritos seria irresponsabilidade pelo uso que dou. Quem escreve para todos... tem um compromisso bem importante com a seriedade, não importando se é questão um ou mil leitores.
Do ano passado (2014) para hoje tive a oportunidade de experimentar quatro câmeras da canon para usos variados no fotojornalismo... de front, ao topo, em eventos cujo trabalho com assessoria de imprensa é importante para vender bem um evento ou marca. Vi qualidade em todas elas, mas as diferenças entre elas podem ser decisivas ao uso... Vou fazer algumas observações a respeito. 

Para uso interno (locais fechados com baixa iluminação), com relação a resposta com o recurso de ISO disponível em cada modelo. Considerando que elas apresentam uma diferente quantidade...

- Canon 5D Mark III - Muito boa, baixo nível de ruído;
- Canon 6D Mark I - Excelente, baixo nível de ruído;
- Canon 7D Mark I - Fraca, muito ruído já em ISO 1600;
- Canon 1Ds Mark III - Ruim, muito ruído já em ISO1250.

Considerações sobre uso e relação custo benefício

             Todas elas são muito boas quanto a capacidade foco em baixa luminosidade, porém a 5D Mark III e a 6D são melhores na questão do ruído e cores com pouca luz. A 5D é muito melhor para correr o foco, e a 6D é meio dorminhoca. Se vc for fazer imagens de esportes, pode ficar meio decepcionado com a velocidade de foco, também com a precisão e com a possibilidade de que ela não encontre o foco. Gostei muito de trabalhar internamente com a canon 6D, mas quando fui para as ruas me assustei com cliques perdidos em baixa luminosidade ou com movimento maior. A 5D me parece bem melhor neste aspecto, embora esteja desconfiado que o colorido seja até melhor na 6D, mas receio que seja impressão de minha parte, já que não tive as duas em tempo simultâneo para teste comparativo. A 7D é a grande campeã da velocidade e precisão de foco, mas perde muito em ruído. Acredito que seja a melhor opção destas quatro para quem faz fotojornalismo. Principalmente se estivermos falando de rua, para jornais... pois mesmo que o ruído esteja alto, não fará diferença para o editor. Eles compram até foto de celular, então de canon 7D ainda será um luxo pelo valor pago pela imagem. Os jornalecos de todos os tamanhos estão pagando o que pagam pelas agências... 30 pilas, podendo ser um pouquinho mais se for uma exclusiva. Agora se a exclusiva for muito boa... recomendo que vc procure pelas agência estrangeiras. Vc ganhará mais... mas aí deverá ter uma foto de boa qualidade. E se vc estiver com um problema de redução de luz, tipo fim de tarde, prédios altos em dia nublado, a pedida pode ser uma 5D ou 6D. Aí entra aquele dilema... "Vale a pena?"
Se vale... de verdade acho que não vale se o uso for fotojornalismo das ruas! Investir 10-15 mil pra fazer fotos para serem vendidas a 30 pilas poderia ser um bom negócio se vc vendesse umas 15 fotos em um dia. Como geralmente as mídias querem comprar só uma... então a resposta da relação custo benefício cairá sobre a câmera com menor valor, que neste caso pode até ser uma 60D, 7D, ou outra similar que esteja no mercado, como estas últimas que citei e que eventualmente são encontradas ainda. Garantido é encontrar a 7D Mark II ou a 70D, mas elas ainda estão com o valor meio elevado... e a 6D esta aguardando a versão Mark II e com a especulação teve redução interessante de valor. Isto, vale para a data de hoje... logo mais devem ter valores reduzidos, as câmeras 70D e 7D mark II. Eu não voltaria para duas casas no modelo da câmera, não gostaria de abaixar em relação a 7D, imagine então para uma 70D, mas cada um tem um cliente diferente e vale também para o fim que se utiliza. As câmeras 60 e 70D ficaram famosas pelo video que podem fazer, mas como eu disse... sou fotojornalista! E mesmo assim gosto de oferecer e ter a chance de trabalhar com o que tiver de melhor, se o meu cliente achar que esta caro... que contrate alguém que esta degraus abaixo, com câmera e estrada ainda em inferior condição profissional. Pagar ou valorizar é uma questão do que vc quer em termos de resultado... poderia até não ser, mas é! Pense...

As ruas de Porto Alegre... Voluntários da Pátria e muita água!


          Gosto de pensar que a cidade é possui problemas temporários quando o assunto é clima e estrutura... mas também não quero enganar ninguém quando o assunto é problema urbano. Infelizmente nossa cidade é antiga e foi mal pensada sobre a questão das chuvas em nosso grande manancial hídrico. Não há grande solução para isto... e me pergunto quão idiota é aquela história de fechar os portões que protegem a cidade. Digo isto pq como aparece na imagem, nosso sistema de drenagem esta funcionando ao contrário neste momento. A água ao chegar na proximidade de 3 metros quando acima do nível normal, retorna pelos próprios bueiros. Veja que a tampa de inspeção esta ao lado e o "geiser" se formou... Eis uma pegunta? Aquelas comportas que fecham a cidade contra o Guaíba são para que mesmo? E não é culpa do prefeito, nem do DNOS (autor do muro), mas de quem um dia iniciou a cidade ao lado do rio. Assim é em muitos lugares... e não deixa de ser um problema, tampouco frustrante, e menos ainda um grande erro. E as ruas de Porto Alegre, continuam a ser observadas pelo fotojornalista Andarilho... 

As águas subiram novamente...

Cheia no calçadão de Ipanema em Porto Alegre, imagens em Agência Freelancer, foto: Roberto Furtado.com
    
           Pela segunda vez no ano as águas do Guaíba subiram... outra vez! O trabalho de recuperação do calçadão de Ipanema na zona sul de Porto Alegre mal foi concluído e foi afetado outra vez. Se deve  isto as continuadas chuvas que atingiram todo RS. A marca histórica não era atingida novamente desde 1967... A altura do manancial preocupa todas as cidades ribeirinhas e, já são milhares de desabrigados. Se espera que as águas baixem antes de ventar forte de sul, pois de outra forma as casas próximas serão atingidas pelas ondas como na vez anterior. As chances de ventar em outubro são grandes, pois é comum na região a predominância de ventanias. Enquanto isto... exercito cliques com o movimento das águas. Lamento apenas que tantas pessoas estejam desalojadas de suas residências. Aqui em casa, hoje mesmo separamos roupas para doação e que foram levadas ao ginásio Tesourinha, local que esta recebendo os desabrigados das ilhas de Porto Alegre. 

True 50mm... A photographic personal journey!

A body Canon 1 Ds Mark III, with canon lens 50mm... true fifty!
             It is the road we notice small details of a trajectory. When I saw that the only alternative to my work was no longer dedicate myself only to photojournalism, but also to the documentary work, they realized that they go together. So, I decided to bet on setups that could characterize the experiments. And why not bet the documentary photojournalism? Because otherwise the Brazilian traditional photojournalism no more than "filling" of newspapers ... but without attributes, only journalistic. And perhaps for reasons so print journalism is dying ... because of poor quality. Thus, I ask you to follow what I'm doing with the title of 50mm mm, such a "fifty" mm. And to leave no doubt about the true face of 50 mm, I note that I will make with full frame cameras profile because otherwise cutting or framing would not be true. Thanks, hugs and see you on the streets.

Kites ao vento... como fotografias que se espalham!

Foto: Roberto Furtado / Diário do Andarilho.com

Kites na praia é sinônimo de colorido sobre a areia! 
Foto: Roberto Furtado / Diário do Andarilho.com

Renan Costantin, fotógrafo, pratica kitesurf quando aparece um tempinho!
Foto: Roberto Furtado / Diário do Andarilho.com
               Fiz várias aquisições de material de trabalho... foram câmeras, objetivas, cases, baterias, acessórios! Estou estudando tudo... testo, mudo, testo de novo! Um experimento atrás do outro para oferecer ups em meu trabalho, pois ninguém sabe tudo e a todo instante surgem novidades. Estes últimos dias estive cobrindo pela terceira vez consecutiva a Interbike, de Las Vegas... e também a Brasil Cycle Fair com profissional oficial do evento. As milhares de fotografias que fiz este ano são as oportunidades que tive para exercitar e colocar em prática o conhecimento alcançado, seja por meio acadêmico ou autodidata. Este conhecimento é necessário para crescer e produzir melhor. E a melhor maneira de utilizar o conhecimento, neste ofício, é simplesmente exercitando. Quando o colega Renan me convidou para fazer algumas imagens do seu esporte favorito, não perdi a oportunidade... nos vimos a caminho da praia e fizemos alguns testes. E no fim são imagens ao vento, tais como velas de Kitesurf... pq sabe lá onde elas vão parar!